Parafusos

Teoria básica

O parafuso é talvez o componente mais encontrado nas motocicletas. Apesar de sua simplicidade sem eles a moto seria somente um amontoado de peças.

Existem diversos tipos roscas diferentes. Nas motos, geralmente a rosca utilizada é conforme a norma ISO e é chamada rosca métrica. Existem dois tipos de roscas métricas: fina e grossa.

 

A rosca também pode ser direita ou esquerda, isto é, ter sentidos de aperto diferente. Um parafuso de rosca direita quando girado no sentido horário está sendo apertado, o de rosca esquerda, o contrário. Raramente é utilizado um parafuso de rosca esquerda. Nas motos, devido ao sentido de rotação do magneto, uma porca de rosca direita poderia se afrouxar. Neste caso é utilizado rosca esquerda. Um outro exemplo são os espelhos retrovisores ou os pedais de bicicleta onde um lado a rosca é direita e o outro a rosca é esquerda. Deste modo a tendência da peça é se manter apertada.

 

As roscas métricas são designadas pelo seu diâmetro. Por exemplo, uma rosca métrica grossa com o diâmetro de 6mm é uma rosca M6. Caso o parafuso seja de rosca fina devemos informar o passo da rosca que é a distância que o parafuso avança em uma volta. Neste caso a designação seria M6x0,75

O material que o parafuso é feito vem estampado na sua cabeça na forma de um código de dois números no formato XX.Y. Por exemplo, 5.8, 8.8 ou 12.9. Saber conhecer esse código é importante por dar uma boa idéia da resistência do parafuso e para determinar o torque de aperto máximo. O primeiro número (XX) multiplicado por 10 diz o limite de resistência à tração do parafuso e o segundo número (Y) multiplicado por (XX) o limite de escoamento. Por exemplo, um parafuso 12.9 possui 120kgf/mm² de resistência e 108kgf/mm² de limite de escoamento. Complicado? Pegue aqui o programa que calcula tudo isso e ainda dá o torque máximo que o parafuso suporta.

Aperto dos parafusos.

Os fabricantes divulgam no manual de oficina o torque de aperto para todos os parafusos de cada moto. Com o aperto excessivo podemos: espanar os fios da rosca, quebrar o parafuso, empenar a peça que está sendo fixada e esmagar a junta causando vazamento e outros problemas que podem surgir mais tarde. Do mesmo modo um aperto insuficiente pode provocar: vazamentos, fazer o parafuso se perder ou causar desalinhamento em peças ou componentes.

Somente com uma ferramenta chamada torquímetro, conseguimos medir o aperto dado em cada parafuso. Para a grande maioria dos serviços executados nas motos um torquímetro de vareta com escala até 120Nm é suficiente e não custa muito caro. (1kgf.m=10Nm)

Chave sextavada
Rosca
Torque (especificação para parafusos gerais)
8mm
M5
4-8 Nm
8mm
M6
6-10 Nm
10mm
M6
6-10 Nm
12mm
M8
15-25 Nm
13mm
M8
15-25 Nm
14 a 17mm
M10
30-40 Nm
17/19mm
M12
40-55 Nm
19/22mm
M14
75-90 Nm
26mm
M17
58-70Nm
27mm
M18
58-70Nm
30mm
M20
70-83Nm
Chave allen
Rosca
.
5mm
M6
6-10 Nm
6mm
M8
15-25 Nm
8mm
M10
30-40 Nm
12mm
M12
40-55 Nm

Torque de aperto cabeçotes

Moto
Aperto
XL 125 S
18 Nm
20 Nm porcas
NX 150
29 Nm
XLX 250R
47 a 53 Nm
Sahara
12 Nm
XLX 350R
12 Nm
DT 180
25 Nm
DT 200
22 Nm
XT 600
20 Nm porcas
25 Nm parafusos
SXT 16.5
20 a 22 Nm
SXT 27,5/30.0
35 a 36 Nm

Deve-se lembrar sempre de que ao desmontar ou montar componentes deve-se sempre procurar apertar ou desapertar os parafusos de maneira alternada (em cruz) para evitar empenar a peça ou sobrecarregar algum parafuso.

Problemas mais comuns.

Rosca espanada

Devemos ter muito cuidado com as roscas na hora da manutenção. Sempre iniciar o rosqueamento com a mão e só depois do parafuso estar encaminhado devemos usar a chave. No momento do aperto evitar exageros, mas mesmo assim caso a rosca seja danificada, pode ser reparada de várias formas dependendo de cada caso. Pode ser feita uma nova rosca de diâmetro maior no mesmo lugar da antiga ou pode ser colocada uma bucha para recuperar o diâmetro original entre outras coisas. Abaixo vemos a recuperação de uma rosca com uma ferramenta chamada macho.

 

 

Parafuso travado/quebrado

Os parafusos podem ficar presos por diversas razões, entre elas as mais comuns são: aperto excessivo, corrosão, cabeça do parafuso danificada. Ao tentar retirar um parafuso que você suspeita que esteja preso o importante é não danificá-lo para não tornar as coisas mais difíceis depois. Podem ser tentadas várias coisas primeiro como dar pancadas com um martelo, aplicar óleo penetrante, ou um aquecimento com chama a gás. Se nada disso funcionar tente outros métodos menos ortodoxos:

 

Chave de Impacto

A chave de impacto funciona quando batemos com um martelo na sua parte posterior. Ela transforma uma parte do impacto em rotação e é ótima para parafusos philips e allen apertados ou que estão com a cabeça danificada.

Caso a cabeça do parafuso esteja danificada você pode tentar usar um alicate de pressão ou serrar uma fenda na cabeça do parafuso e retirá-lo com uma chave de fenda grande ou batendo no sentido do desparafusamento com uma talhadeira.

Se mesmo assim o parafuso se recusa a sair ou no caso de parafusos que quebraram, pode ser necessário soldar uma nova cabeça no parafuso ou furar o local e fazer uma nova rosca.

Dispositivos contra o desparafusamento

As motos, principalmente as de trilha e as que têm o motor envenenado, por vibrarem muito devem usar em vários locais dispositivos que evitem o afrouxamento dos parafusos. Podem ser travas, arame, arruelas, pinos, porcas especiais, travas químicas... O importante é sempre manter estes dispositivos em bom estado quando remontamos algum componente. As arruelas de pressão e porcas autotravante devem ser trocadas sempre que perderem a pressão, e as copilas e lingüetas devem ser sempre novas. Veja a apostila dispositivos contra desparafusamento para maiores detalhes.

Saiba mais: Telecurso 2000
  Gedore
  Ciser
  Revista Duas Rodas nº 218, 260 e 334
  Treebond
   
Fonte: ParkTool
  Motorcycle.com
  Manual mecânico Honda
  Owners manual 2003 HusaberG
  Manual proprietário XT225 Serow
  Valflex
  Desenho técnico mecânico, Manfé

 

 

Home

Mecânica



www.endurohp.eng.br